domingo, 16 de setembro de 2012

O maior garanhão da praça

O cirrose apareceu no ponto como tantos taxistas que surgem e somem sem que ninguém saiba ao certo de onde vieram e para onde foram. O fato é que o sujeito deixou saudades. Ele era magro, usava muitos anéis e fumava feito um condenado – daí o apelido de Cirrose.

No curto período em que trabalhou no nosso ponto, Cirrose conquistou a simpatia de todos. A minha, em especial, já que o taxista era um grande contador de vantagem. Bastava juntar alguns colegas em volta para ele começar a descrever suas conquistas amorosas. Como o homem era pobre e feio como a peste, parecia óbvio que era tudo mentira.

Donzelas desvirginadas, milionárias desmanchando o casamento por ele, freirinhas abandonando a vida religiosa depois de conhecê-lo... O repertório de histórias do Cirrose era de dar inveja a qualquer escritor. O cara tinha uma imaginação muito fértil. Ninguém acreditava nele, mas era diversão garantida.

Certo dia, estávamos todos no ponto quando uma mulher linda passou no outro lado da rua. Uma morena de parar o trânsito. Cirrose chamou nossa atenção. Disse que conhecia aquela deusa. Contou que ela era casada, mas o marido tinha medo de realizar a fantasia sexual da mulher, que era transar em um local público. Nosso esquisito colega jurou que, em uma noite não muito distante, teria feito sexo com aquela morena em plena Praça da Matriz! Todos caíram na risada.

Não demorou muito, a moça voltou. Dessa vez, pela calçada do ponto. Era a hora da verdade.

Para espanto de todos, assim que avistou Cirrose, a deusa arregalou os olhos como se tivesse visto o próprio Brad Pitt! Depois de uma breve conversa à boca pequena, o taxista colocou a mão nas costas da morena e apontou para seu táxi.

Enquanto conduzia a mulher até seu carro, Cirrose ainda achou tempo para olhar para trás e dar uma maliciosa piscadela para seus colegas boquiabertos.

Não faço ideia por onde anda o Cirrose. O certo é que deixou saudades.

4 comentários:

Eduardo P.L disse...

Os requisitos para um bom garanhão, não são beleza física, dinheiro, e estatura, muito pelo contrário. Os homens com todos esses atributos em geral são péssimos amantes. Elas sabem disso.

Silvana Santos disse...

Concordo com vc Eduardo, há muitos fakes por aí.

Mauro Castro disse...

É Bom ver meus “comentaristas“ interagindo. haha há braços!!

Maykon disse...

Pela descrição, logo no primeiro parágrafo consegui ver o Cirrose na minha frente. E também podia jurar que ele não pegava ninguém.
Mas, concordo com o pessoal aí de cima: beleza e grana servem para mostrar pros outros. Na hora do vamos ver mesmo, um Cirrose pode ser muito mais eficiente.
Abraço!
http://amenidadescronicas.blogspot.com.br/