domingo, 24 de julho de 2011

Brasil para Japonês ver

Semana passada, andei envolvido com uma turma de japoneses. Executivos interessados em fazer negócios no nosso estado. Como a maioria deles não falava nada de português, foram escalados alguns taxistas com algum conhecimento de inglês para acompanhá-los.
Os caras eram organizados. Vinham com uma lista de endereços e horários, tudo muito claro. Era uma questão de levá-los, esperar que fizessem a visita e então trazê-los de volta ao hotel. Acontece que ninguém é de ferro e, entre um compromisso e outro, os rapazes dos olhos puxados queriam conhecer um pouco mais do pais com o qual estavam fazendo negócio. Quem melhor do que um taxista para apresentá-los ao verdadeiro Brasil?
Os japas que ficaram comigo mostraram-se particularmente interessados em dois assuntos: futebol e mulheres. Depois de levá-los aos estádios Olímpico e Beira-rio, acabaram optando pelo melhor time. Compraram camiseta, boné, bandeira, assistiram a um jogo e, no outro dia, já estavam cantando: "Cororado, cororado, nada vai nos separar!". Outras palavras que acabaram por aprender foram: caipirinha e perigueti.
Na volta de uma viagem ao município de Osório, meus passageiros orientais perguntaram o que significava a placa "caldo de cana", que viam anunciado ao longo da estrada. Decidi parar o táxi e apresentá-los à bebida.
No lugar onde parei funcionava um comércio variado de beira-de-estrada. Além da venda de suco, havia no local um artesanato e uma borracharia. Quando pedimos a bebida, o garoto que cuidava do negócio chamou seu pai, o borracheiro. O homem interrompeu o conserto de um pneu de moto e veio preparar o suco. Agarrou as canas sem sequer dar-se ao trabalho de limpar as mãos. Mas bah, tchê!
Achando tudo muito engraçado e balançando a cabeça positivamente, os japoneses beberam tudo com vontade. Insistiram que eu aceitasse um copo por conta deles, oferta que delicadamente recusei alegando estar de dieta.
Tomara que a imagem que os japoneses levaram do pais tenha sido tão boa quanto a gorjeta que deixaram. Arigatô!

7 comentários:

Eduardo P.L disse...

...e a parte das mulheres ?????!Eita taxista discreto!!!!!! srsrsr

Clarice disse...

Histórias de caldo de cana me arrepiam, que eu entrei numa dessas de beira de estrada e quase bati as sandálias.
Prepare-se que a próxima caminhonada será de chineses. Muita água quente pra eles! Pura.
Abraços. Sayonara!

LÍDIA, disse...

Ahhhh..eu sou super fã de japoneses!
Também né...morando em SP... ahahahhahah...

Mas a grande maioria dos japas são muuito legais...geralmente tem aquela carinha fechada à primeira vista, mas basta uma conversa e pronto né...eheh
ADORO!

Mauro... não sei se vai lembrar de mim...sou a Lódia, que escrevia no "www.tobecontinueed.wordpress.com" ... o TBC tá abandonadinho, mas o "Bom humor-inabalável" veio pra marcar uma nova fase... ^^

Muito obrigada por sua visita.
Nunca deixei de vir aqui conferir seus post... adoro toooodos!

Besitos e "Há braços" (já que gostou! Hhahhahahahahahhah..

=D

Anunciação disse...

Maravilha esse caldo de cana,rs.

**** disse...

Ahahaha... Caldo de cana colorido artificialmente.

Sylvio de Alencar. disse...

A pergunta do Eduardo foi procedente: e as mulheres???? Rss!

Então, o cocorado é o 'melhor'... Hummmm..., sei.
Sou paulistano, mas, gosto deste time também.

Abraços.

Dalva Maria Ferreira disse...

Muito bom, humor fino e leve como uma pluma. Adoro.