segunda-feira, 11 de maio de 2009

Figuras dos cruzamentos

Foi-se o tempo em que, ao parar em um sinal fechado, o motorista ficava a ver navios, pensando na morte da bezerra. Hoje em dia, os cruzamentos são verdadeiros pontos de negócio, nos quais muita gente ganha a vida. Jornaleiro, panfleteiro, pedinte, florista, lavador de vidros, malabarista. Enfim...
Por sorte, muitas vezes, taxistas são poupados por essas figuras dos cruzamentos. Eles sabem que nós já não lhes damos atenção, tantas são as vezes que passamos por ali. É o caso de uma senhora com o braço enfaixado que mendiga em uma esquina da Avenida Lucas de Oliveira. O braço dela está enfaixado há uns dez anos. Se tivesse mesmo doente, já tinha caído.
Há também o garoto que faz acrobacias com cones de trânsito. Se ele erra e deixa cair um cone, fica contrariado, senta no meio-fio e não pede contribuição. Ou, ainda, o garoto que mendiga na Avenida Ipiranga com Azenha, acompanhado de um lindo dálmata. Sempre que ele ganha alguma coisa de comer, divide com o cão.
Mas a figura mais manjada dos cruzamentos de Porto Alegre é o ceguinho que fica na esquina da Avenida Cristiano Fischer com Ipiranga. Basta fechar o sinal que ele vem com seu caminhar característico, agachando-se a cada passo. Com sua bengala de cabo de vassoura, ele vai passando entre os carros, deslizando os dedos pelas latarias, sendo capaz de dizer a marca, o modelo e até a cilindrada de cada carro.
Eu duvidava que isso fosse verdade, até que, um dia, eu lhe dei uma moeda e disse que tinha comprado há pouco meu Ford Verona – na verdade, meu táxi era um Volkswagen Apollo, veículo que se diferencia do Verona apenas por alguns detalhes de acabamento. Depois de correr os dedos até o porta-malas traseiro, ele voltou à janela e sentenciou:
– Quer enganar o cego? Isso é um Apollo!
Dizem que ele é capaz de acertar até a cor do carro, mas isto eu não garanto.

20 comentários:

Adro disse...

ceguinho esperto esse...hehe
boa semana Castro meu velho...
abraços

Nana disse...

Algo me diz que ele não é cego... Caso fosse, como conheceria os novos modelos e saberia seus nomes?
De certo ele só sabe ler o modelo atrás do carro, hehehe.

Dirceu disse...

Vai ver que ele tem visão extra sensorial... e visão fisica normal como a nossa, para ele é mero detalhe...

Tita disse...

Veja você que coincidência: justamente hoje, que escreveste sobre cruzamentos, nossas vidas (a minha e a tua) se cruzaram por uma fração de segundos no cruzamento da Av. Cristóvão Colombo com a Câncio Gomes.
Tenha um ótimo dia, Mauro!

Gabriel Bedin Slevinski disse...

Noossaaa... Muitooo interessante Seu blog.. Não conhecia ainda, é a primeira vez que passo por aqui, e fiquei extasiado. Garanto que de hoje em diante estarei sempre viajando junto dessas histórias..

Parabéns..

Liziane da C.Ribeiro disse...

Mauro,
...Pois é, quem tá na rua conhece bem as malandragens, eu sempre largo algum $$, acredito na precisão deles. Depois me arrependo e penso "...e se ele tiver me enganando?!?!?"
Aí já foi.

dacaff disse...

Mauro, se o ceguinho acertar a cor do carro, certeza que é amigo da senhora do braço enfaixado..rsrs..
[]'s

caminhosdalu disse...

Eu, quando tava em Porto Alegre dirigindo... ou qualquer lugar... sempre associei cruzamento com vários perigos... batidas, assaltos... e sempre levava sustos quando alguem batia na janela pedindo... mas né...infelizmente é a realidade...
aqui em Stuttgart, o transito é diferente, n tem perigos de assalto, nem ninguem pedindo... mas é abrir o sinal verde e tu tem q sair rapido, senao o motorista de tras te xinga, buzina, faz o inferno hahah gente sem paciencia haha
ja li várias crônicas, to adorando :)
abraços
Luana

Anunciação disse...

Quem será que engana quem?rs

Tiago Medina disse...

Nas esquinas de hoje é que estão os personagens que outrora estavam no circo. Pena ainda haver muitos mendigos e crianças que não se 'apresentam', apenas são forçados a estarem ali...

Clarice disse...

Vou repetir a pergunta que deixei no Netlog: esse cara é cego mesmo?

Há alguns anos começaram a desestimular as esmolas em sinaleiras, o que facilitou a invasão desses chatos com malabares e espalhadores de propaganda. Até hoje não vi nenhuma figura que merecesse destaque, mesmo porque eu fico de olho em outras coisas. :)
Abraços.

Dona Baratinha disse...

Não costumo dar dinheiro no sinal, especialmente se a pessoa for jovem e tiver capacidade de trabalhar ou estudar. E confesso que a maior parte das crianças que pedem nos mesmos, me deixa absolutamente temerosa.

Beijos

Ulisses Adirt disse...

Tão desconfiado quando eu...

Gorby disse...

Boas Mauro! Interessante o seu novo Post, gostei!
Aqui por Lisboa, Portugal, também temos a cada cruzamento montes de gente com as mais diversas formas de mendigagem em busca de uma moeda!

Quando à história do cego e a sua capacidade de descodificação de marca e modelo de carros, conheço um caso semelhante por cá e esse eu tenho a certeza que é invisual e que sabe mesmo do que fala! Impressionante verdade?

Abraço

Silvia disse...

Tb ia falar a mesma coisa que a Anunciação já disse: quem engana quem?? rsrsrs

Karin disse...

Pois é...coisas de cidade grande.Cruzamentos...porta de igreja etc...etc...Boa semana amigo.

Eliana disse...

Moro no Rio há 5 anos, e há 5 anos eu faço o mesmo caminho pra ir pro trabalho. E há 5 anos pela janela do ônibus eu vejo a mesma cena: um senhor sentado na calçada, com roupas sujas e uma cara de piedade, mendingando, e com ele, uma enorme ferida na altura do estômago, coberta com um curativo sangrando!!!! Vê se pode?!?! Quem iria sangrar assim por tanto tempo??? Já teria morrido de hemorragia!!! Outro dia vi esse mesmo senhor, arrumadinho, com uma roupa limpinha, entrando no INSS...

Dalva M. Ferreira disse...

Falar que tu é bão já virou pleonasmo. Tu é ótimo!

itamar disse...

Tenho minhas duvidas, sera que o cara é cego mesmo, ou é parceria da semhora do braço enfaixado.
um abraço Mauro e boa semana.
itamar

Debby disse...

Oi, Mauro!
Vim aqui retribuir a sua visita no meu blog e dizer que curto muito crônicas, ainda mais quando elas vêm de pessoas como vc. Não, vc não é um simples taxista, mas um captador do cotidiano, um cronista. Agora fiquei encucada com esse ceguinho, haha! Abraços