domingo, 8 de setembro de 2019

O taxista Biela pegou uma corrida para o município de Montenegro. Pé quente. Logo avisou ao passageiro que não conhecia o caminho, não tinha ideia de onde ficava tal cidade. Sem problemas, sessenta e tantos quilômetros de Porto Alegre, o passageiro foi indicando o caminho. Chegando lá, dinheiro no bolso, Biela feliz, mas perdidão, não tinha ideia de como voltar à Capital. De novo o passageiro deu a dica. Mostrou a rodoviária:
- Espera sair um ônibus e siga atrás. Eles vão todos para Porto Alegre.
O taxista ficou atento. Um ônibus grande, lotado, fechou a porta e partiu. Biela seguiu no encalço do coletivo. Deu azar, era uma linha tipo pinga-pinga, parava em tudo que era vilarejo, mas o taxista seguia firme, cada vez mais perdido, sem a menor ideia de onde estava. Para aqui, para ali, entra numa cidade, entra em outra, o dia anoitecendo e nada de chegar em Porto Alegre. Biela ficando agoniado, mas seguindo o maldito ônibus, até que não suportou a ansiedade. Aproveitou uma das tantas paradas e abordou o motorista.
- Amigo, eu sou taxista, estou seguindo o seu ônibus.
- Sim, eu percebi.
- Estamos muito longe da Capital? A que horas o senhor chega em Porto Alegre?
- Porto Alegre? Eu estou seguindo em direção a fronteira, Porto Alegre fica a 300km, no sentido contrário!
Biela foi colocado atrás de um outro ônibus, desta vez no sentido certo. Chegou a Porto Alegre no meio da madrugada, o tanque do táxi vazio, o prejuízo no bolso, mas finalmente em casa. Corrida para fora da Capital nunca mais.

Nenhum comentário: