domingo, 13 de maio de 2012

A paciência é uma arte

De repente, o trânsito entupiu. Os carros simplesmente pararam todos. Na terceira vez que o sinal abriu e ninguém se mexeu, minha paciência esgotou. Eu já estava levando a mão à buzina quando a motorista do carro de trás poupou-me o serviço. A mulher enfiou a mão na buzina e não tirou mais. Minha nossa!

Pelo retrovisor, eu observava a motorista histérica. Enquanto buzinava, ela gritava e gesticulava. Uma mulher de meia-idade, cabelo discreto e óculos de armação antiquada. Devia estar atrasada para algum chá beneficente. Logo, todos os carros do entorno estavam buzinando. Diante da histeria coletiva, até perdi a pressa.

Um pedestre atropelado era o “problema”. Na calçada, alguém improvisava uma massagem cardíaca na vítima enquanto esperavam o socorro. Mesmo com a pista já desbloqueada, os carros seguiam lentos para observar o evento. Alguns até mesmo paravam para (pasmem) fazer uma foto com o celular - já deve estar no Facebook.

Apesar de procurar manter a calma, vez ou outra acontece de eu perder a elegância no trânsito - o cara fotografando o atropelamento, por exemplo, ouviu uns “elogios” de minha parte. Mas ando exercitando cada vez mais minha paciência.

Certa vez, fiquei um tempão em frente a um prédio esperando por uma passageira que havia chamado meu táxi pelo telefone. Eu olhava para a portaria e nada da mulher aparecer. Aquilo foi me irritando. Por que as pessoas chamam o táxi se não estão prontas! Droga!

Ao embarcar, a passageira apressou-se em pedir desculpas. Explicou que cuida do pai, que está em estado vegetativo em cima de uma cama. No horário do almoço, ela vem correndo até sua casa ver se está tudo bem, pois a cuidadora contratada não entende muito de enfermagem. Disse que havia demorado a sair porque, na última hora, a sonda urinária do pai tinha escapado e ela não estava conseguindo reinstalar o tubo...Triste.

A paciência é uma arte que ainda estou longe de dominar. Mas a vida se encarrega de me passar algumas lições.

9 comentários:

cRiPpLe_rOoStEr a.k.a. Kamikaze disse...

eu costumo manter a calma, a não ser que algum daqueles inconvenientes que incomodam por prazer resolva me enfrentar...

Eduardo P.L disse...

Há que se aprender diariamente com os orientais!!!Paciência !

Bah disse...

A vida me ensinou a ter paciência, mas é aquela coisa: não abusa auhauhuaa

Kisu!

vidacuriosa disse...

A impaciência pode ser irmã da injustiça...

Clarice disse...

De minha parte ando exercitando a evitação de trânsito. Depois que quase saí de detrás do volante pra dar uma bolacha num motoqueiro que me xingou porque eu parei antes de uma faixa de pedestres, resolvi pedir pela internet, pelo telefone, tudo o que puder. Floripa está cada vez pior. Todos os doidos vieram conferir porque a cidade é boa e bonita e nós estamos em vias de nos estapear.
Abraço.

sergioa paciência é uma arte". disse...

Mauro,

Sem dúvida, o título que tu escolheste para a tua crônica é absolutamente adequada e serve à reflexão: "A paciência é uma arte".

Com efeito, a paciência é uma virtude, onde impõe ao bom cidadão ter a qualidade do controle emocional equilibrado e ser tolerante a fatos indesejados; a, também, ter tranquilidade para suportar incômodos e dificuldades de toda espécie; e ainda: a ser perseverante e acreditar que chegará ao destino. Enfim, é a capacidade de se libertar da ansiedade.

A tolerância e a paciência são as nossas maiores fontes de segurança e confiança.

A paciência, neste nosso mundo contemporâneo, é a que mais deve merecer a nossa atenção. Mas não é fácil!

O cidadão que tem por hábito a prática da tolerância, a par de todos os contra-tempos que se apresenta na sua vida diuturnamente, tem íntrinco em seu interior algumas dessas qualidades:

- presteza; ética; moderação; desprendimento; simplicidade; concisão; objetividade; serenidade; paz; moderação; humildade; simpatia e, por fim, AMIZADE!!!

Tu tens quase trinta anos nessa tua nobre profissão de bem levar os teus passageiros para os destinos por eles escolhidos.

E é o que tu fazes tão bem comigo e com a Neiva quase que diariamente: levar-nos para os nossos já tradicionais destinos, com toda a tranquilidade, paciência, serenidade e incondicional simpatia. Além, é claro, de uma boa conversa.

És um profissional e um cidadão que orgulha a nossa cidade, além de um atilado observador do nosso cotidiano.

Sérgio.

Mauro Castro disse...

Sérgio e Neiva. Escolhidos pelos taxistas do meu ponto como os passageiros nota 10.
Há braços!!

Inaie disse...

quando eue stiver descabelando por que estou esperando por alguma coisa, vou me lembrar da sua passageira e agradecer a sorte de nao estar na situacao dela...ou do pai!

Anônimo disse...

Realmente a paciência é uma arte que devemos praticar todos os dias, faz bem para nós mesmos e para o mundo.

Abraços