domingo, 31 de outubro de 2010

Ossos do ofício

No meio da madrugada o telefone toca estridente, amplificado pelo silêncio da casa. É meu parceiro da noite, o Cabeça, nervoso. Tropeçando nas palavras, tenso, mal consegue dizer o que aconteceu: alguém cruzou o sinal fechado, bateu no táxi...preciso ir até lá. Coração acelerado, pego o endereço, boto uma roupa e me mando.
Quem trabalha na praça vê acidente de trânsito toda hora. Confusão, agentes de fiscalização, carros no meio da pista, vez ou outra, uma ambulância, gente ferida. É sempre a mesma cena. Quando tem algum táxi envolvido, então, não há como não conferir o prefixo, ver se não é algum amigo precisando de ajuda. Depois de um momento de reflexão, porém, o jeito é seguir adiante.
Enquanto cruzo a cidade, em direção ao acidente, mil coisas passam pela cabeça. É madrugada de sábado, é preciso ter cuidado. Sem saber a extensão dos danos, vou preparando-me para o pior. Tudo que o Cabeça conseguiu dizer é que não há feridos. Isto é o mais importante. Quanto ao carro, dá-se o jeito. À medida que vou chegando perto do local da colisão, a angústia aumenta.
De longe é possível ver os alertas ligados. Meu táxi com a frente amassada, no meio da avenida, o outro carro mais adiante. Encontro Cabeça andando em círculos, fumando, cabisbaixo. Tudo bem com ele, felizmente, meu bom amigo da noite. O outro motorista me pede desculpas: distraiu-se, cruzou o sinal fechado. Acontece, fazer o quê.
Em meio à tristeza, é bom sentir a solidariedade de alguns colegas. Palavras que dão força, alguma ajuda, um simples toque na buzina é um conforto para quem está meio perdido. Enquanto a noite escorre, a burocracia é vencida com resignação. Mais tarde, na cama, não consigo achar o sono.
Passadas quase duas semanas, com o táxi retornando às ruas, os pés voltam a sentir o chão, a vida retoma seu curso. Resta virar a página, ligar o taxímetro e tratar de pagar a conta.

12 comentários:

Eduardo P.L disse...

Lamento por você, pelo Cabeça, e pelo motorista infrator! Acontece! Mas que chateia, chateia.

Letícia Cunha :) disse...

Cada profissão tem seus prós e contras, e imprevistos podem ocorrer, de qualquer forma é bom sempre estarmos preparados. (o que é difícil, rs).
No entanto, o que mais me tocou e chamou a atenção foi a importância destinada à solidariedade, à amizade, com a qual eu concordo plenamente com tudo o que foi dito.
Uma expressão de carinho, de quem quer que seja, deve ser sempre bem-vinda, faz muito bem.

Alexandre RJ disse...

Que alívio! Com o taxi parado iamos ficar sem novas historias!

Carlos Alberto disse...

Complicações da vida.

Anônimo disse...

Nos imprevistos da vida, é bom contarmos com boms amigos.
Lu.SP

Clarice disse...

Salve, salve! Então parou de trabalhar em casa. Quem sentirá falta´será a Gilda. Ninguém pra xeretar as panelas antes da hora.

Bom voltar a trabalhar, né? Dirigir é igual coceira. Não sou taxista, você sabe, mas adoro dirigir. Sinto falta Imagine você!

Resultado do teste dos comentários:O problema é que a turma está entrando em férias, ou substituindo quem entrou, ou cuidando das crianças que saíram da escola, ou aproveitando o feriado. Tem muita leitura sem comentário.Repare no nº de visitas e de comentários.
Bom retorno ao trabalho.
Abração.

João Gilberto disse...

Nada para chatear uma pessoa como uma batida, imagino se meu sustento viesse do carro, como eu estaria.

Força pra ti e para o Cabeça!

Até mais doutor.

Tiago Medina disse...

A vida sempre segue em enfrente. É bom ter isso como máxima, Mauro.
E trate de visitar a tua vó! Ano passado, tu comentou praticamente a mesma coisa. Espero que tu já tenha ido mais de uma vez vê-la.

Abraço

Vai de Táxi! disse...

Diferente de outras profissões que se v~e muita concorrencia. Existe um companheirismo entre os taxistas que é muito legal.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

oque seria meu caro da alegria sempre constante de ser quemsempre se desejou

Delafonte disse...

Será que existe um trabalho sociológico em torno do grupo social dos motoristas de táxi? Acredito que sim, em alguma cidade brasileira alguém deve ter tido essa idéia. De qualquer forma as histórias estão sendo preservadas em forma de prosa pelo nosso amigo aqui.

Acho salutar que este blog seja posto num chip a viajar na próxima sonda da Nasa a cruzar o espaço. Assim uma boa representação da nossa espécie estaria a salvo vagando o infinito do Universo.

...quem sabe o meu blog poderá ir no subcompartimento de achados e perdidos do espaço??...<>
<>crônicasdeumdesligado

Anônimo disse...

Pôxa Mauro, prejuízo assim é sempre chato mas, enfim fazer o quê? É trabalhar pra pagar a conta mesmo e contar com melhor sorte aí pelas estradas. Abçs (Sara)