domingo, 1 de agosto de 2010

Esse Pedro é uma parada!

Esse caso teria acontecido em uma cidadezinha do interior. Nesta cidade havia apenas um ponto de táxi, na rodoviária. Ao lado do ponto, um ceguinho costumava ficar tocando gaita a fim de angariar alguns trocados. Era uma cidade mesmo pequena, sem muito movimento de ônibus, e o tal ceguinho vivia com dificuldade.
Dentre os taxistas do ponto, havia o seu Pedro, que adorava quando o cego tocava em sua velha gaita a música Para Pedro, do saudoso José Mendes. Certa vez, seu Pedro chegou cedo ao ponto de táxi e lançou um desafio ao gaiteiro. Disse que daria R$ 50 ao cego se ele tocasse o dia todo, sem parar, a sua música preferida, Para Pedro.
Tratava-se de uma oferta excepcional! Se contasse com as moedinhas que lhe deixavam no chapéu, o músico não ganharia aquele valor nem em um ano de mendicância. Sendo assim, o ceguinho não pensou duas vezes: pôs-se a tocar a melodia do José Mendes e não parou mais.
Como é comum em cidades pequenas, a notícia do desafio se espalhou e logo havia uma considerável plateia assistindo ao esforçado ceguinho que tocava sem parar.
Lá pelas tantas, porém, o cansaço começou a bater. Os braços fatigados já custavam a movimentar o velho fole. Na esperança de dar uma descansada, o ceguinho perguntava baixinho, a quem estivesse por perto, se o seu Pedro ainda estava por ali. De sacanagem, mesmo que o taxista tivesse saído com uma corrida, diziam que ele estava, só para ver o ceguinho se acabando.
Outras vezes, quando ele perguntava de novo, o taxista mandava dizer que tinha saído. Quando o cego finalmente parava de tocar, seu Pedro protestava, dizendo que não ia pagar a aposta. Ao que o cego reiniciava sua penitência musical.
Reza a lenda que, ao entardecer, metade das teclas da gaita já não funcionavam de tanto que foram exigidas, mas o cego teria ido para casa com seu dinheiro no bolso.

11 comentários:

Leika Horii disse...

Só em cidade de interior, mesmo.
Por isso q eu adoro minha cidadezinha!

abraços

Anunciação disse...

Ah que maldade com o cego!

Roseane, disse...

Mauro...respondendo teu comentário lá na minha pavulagem:
"Eu envio um postal da Alemanha.Tenho vários, este é o link que explica porque estou oferecendo postais da Alemanha
http://nutriane.blogspot.com/2010/03/quer-receber-um-postal-da-alemanha.html
Como moro em Heidelberg, o postal sairá daqui".

Espero ter esclarecido sua dúvida.

Boa semana!!!

Clarice disse...

Ah, para Pedro!
Não precisei ir muito longe para encontrar a minha cidadezinha. Ainda bem que lá não havia taxista que fizesse esse desafio.
Abraço e boa semana.

Ricardo Mainieri disse...

Cidadezinhas do interior tem estes tipos, principalmente em rodoviárias.
Lá os bebuns,os malucos e os deserdados da sorte são conhecidos e a população tem apreço por estas figuras.
Aqui, na cidade grande, é que a impessoalidade tomou conta de quase tudo.
Mas, que foi uma "baita" sacanagem com o ceguinho, ops, deficiente visual foi.
Haja ouvidos para aguentar horas e horas de Para Pedro!

Abraço e obrigado pela visita!

Ricardo Mainieri

**** disse...

Ahahahaha.. Se eu fosse algum taxista dava R$ 100 pra ele parar.

Hidaiana Rosa disse...

Será que o cego recebeu mesmo uma nota de R$50??

Telma disse...

Oi Mauro, fiquei com pena do ceguinho, mas ainda bem que ele conseguiu ir para casa com o dinheiro no bolso, valeu a pena o esforço. Um óptimo final de semana para ti. Beijinhos

Magui disse...

Devia ser considerado como tortura, não só pelo tempo e esforço como pela música.

Dona Sra. Urtigão disse...

A princípio fiquei com pena do ceguinho, mas depois vendo que o esforço dedicado foi recompensado, foi melhor do que se tivessem dado o $$$$ sem merecimento
PS: perdoe a invasão, mas sou mesmo meiomuito intrometida.

tesco disse...

Só quando você falou em fole percebi que não se tratava de gaita de boca. O que seria mais cansativo, não? Mesmo assim, haja fôlego! _Abraço.