domingo, 16 de maio de 2010

Quero ser atropelado!

O passageiro parecia um rapaz normal, vinte e poucos anos, bem vestido. Durante a corrida, porém, ele veio com uma conversa estranha. Falou que sua mãe estava com um namorado novo, que andava toda assanhada, que não dava mais bola para ele, o único filho dela.
Mesmo o taxista tentando desconversar, o rapaz voltava ao assunto da mãe. Parecia obcecado, não pensava em outra coisa, morria de ciúmes do tal padrasto. Logo ficou claro o porquê da insistência naquela conversa. Na verdade, o rapaz tinha um plano para chamar a atenção da mãe e precisava que o motorista o ajudasse: Ele queria ser atropelado!
Ele tinha pensado em tudo. Assim que o carro batesse nele (não com muita força), ele fingiria estar machucado, passaria o telefone para o taxista, que ligaria para a mãe, dizendo que tinha atropelado o filho dela. Pela barberagem, o profissional do volante receberia R$200, na bucha!
Pagamento adiantado. Negócio fechado.
O taxista estacionou e o passageiro foi caminhando até uma sinaleira, logo adiante. O rapaz esperaria o táxi parar no semáforo. Assim que o sinal abrisse, ele se jogaria na frente do carro. O taxista, avisado, bateria nele de leve.
Enquanto o rapaz caminhava até o sinal, o taxista ficou matutando, pensando em cair fora. Quando o rapaz já estava quase lá, uma mulher chegou na porta do táxi. Precisava de uma corrida. O motorista pensou rápido: pegaria a mulher, pararia ao lado do rapaz, diria que desistiu do plano, devolveria o dinheiro e seguiria com a passageira. Era isso.
Quando estava arrancando, porém, um táxi, da mesma marca do seu, passou por ele e parou na sinaleira. Não deu tempo de avisar o colega. O sinal abriu e o rapaz foi realmente atropelado pelo taxista desavisado!
O serviço estava feito. Ao passar pelo acidente, o taxista apenas baixou o vidro e gritou para o colega:
- liga pra mãe dele!

16 comentários:

Caminhante disse...

Genial, todos ficaram felizes... :P

Adro disse...

Castro é MESTRE. Baita crônica tchê. E aquele ensaio sexta no QG da BANDA LARGA? Aquilo ali é uma mina de ouro p/historia. Hehe. Grandes momentos meu amigo. Sem comentários p/o pão da Gilda recheado c/ chocolate. A Buh cada vez maior e mais inteligente.
Maior orgulho em chamar vcs de amigos.
Abraços e boa semana.

cRiPpLe_rOoStEr a.k.a. Kamikaze disse...

história bizarra...

Edilson Pantoja disse...

Rapaz de sorte... Nem precisou mentir!
Abraço!

Ana Lucia Franco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Lucia Franco disse...

A lei da atração, atraimos o que desejamos. Ótimo, Mauro..

abrs!

Clarice disse...

ô loco meu!
Devia era jogar o dinheiro pro taxista. Pra compensar o tempo que perdeu com um tipo como esse.
Esses teus causos estão beirando assassinato, tcê!
Abraços e boa hsemana.

Alguém disse...

Adoro as histórias que você conta no jornal. Parabéns!!

jefhcardoso disse...

Texto que deixa uma boa e inevitável risada para o final. Muito bom. Gostei muito. Parabéns!

Mas o numero? Se o atropelamento foi real e o sujeito ficou inconsciente...


Abraço do Jefhcardoso

jefhcardoso disse...

Mauro, do seu comentário em meu blog: eu só pude vir aqui agora, mas confesso que refleti em seu comentário desde a hora em que o li ontem. E creio que continuarei refletindo nele por muito tempo. Obrigado, amigo!

Outro abraço do Jefhcardoso

Eduardo Martins disse...

Temos que ter muito cuidado com que pedimos à terceiros e principalmente à Deus. Em geral, não estamos preparados para a solução do problema, até porque se tivéssemos não pediríamos nada. Pelo menos o rapaz conseguiu seu intento e o taxista ganhou 200 pratas sem realmente botar a mão na massa. Anotaram a placa do outro? rs
Bom conto!
abraço

Alê disse...

Oie...
esses tempos (há tempos!) estivestes em meu humilde e (#failled) blog...

Somente agora q vi...
Agradeço pela sua valiosa visita....
E aproveito pra dizer q amo seus textos...Me divirto mtu com eles.
By

Alê

Dona Baratinha disse...

Gente, que rapaz de "sorte".

Beijos

Eliana disse...

E os R$200,00, ficou com quem?
Hahahaha
Só rindo mesmo...
Beijos!

Hidaiana Rosa disse...

Boaaaa! PA-RA-BÉÉÉÉNS!

Lívia disse...

História fantástica gostava de a ler em forma de conto. Mas está muito bem assim também, eu é que tenho a mania dos contos.