domingo, 7 de março de 2010

Sexo com o Capeta

Meu passageiro tinha um visual, digamos, exótico. Era musculoso, vestia uma camisa sem mangas, que deixava à mostra várias tatuagens. Barba por fazer e argolas nas orelhas. A mão com que fez sinal para meu táxi segurava uma latinha de cerveja e um cigarro entre os dedos. Que medo.
Ele embarcou e, antes mesmo de dar o destino da corrida, disse o seguinte:
- Aquela máquina do Capeta é mesmo um inferno!
Como viu que eu não fazia idéia do que estava falando, depois de dizer onde queria ir, explicou melhor a história. Ele tinha acabado de perder R$160 em uma máquina caça níquel, que tem como tema o inferno. Meu passageiro contou que todos os dias perde uma grana na tal máquina, mas não se mostrava arrependido. Disse que o vício no jogo é o menor dos seus problemas. Pelo menos, estava conseguindo se manter longe da cocaína. Ele contou que trabalha como garoto de programa, profissão em que dificilmente se consegue ficar sem a ajuda das drogas.
A frieza com o cara falava sobre sua profissão era chocante. Ele não escondia, inclusive, um certo orgulho do seu estilo de vida. Disse que já tinha trabalhado em praticamente todas as grandes capitais do pais e também no exterior. Em Porto Alegre, estava conseguindo faturar até R$500 em uma noite, o que não era nada mal, segundo ele.
Entramos em um motel onde ia encontrar um cliente. Um homem que estava "saindo do armário", com pouca experiência homossexual. Meu passageiro havia percebido isso quando acertou o programa, por telefone. Disse que esse trabalho seria uma barbada. Como tirar doce de um cego.
Para provar que tinha a situação sob controle, subiu até o quarto e mandou o cliente descer para me pagar. Senti pena do gordinho constrangido que veio até o táxi, alcançou uma nota inteira e não esperou o troco. Desconfio que ele marcou um encontro com o próprio Capeta.

16 comentários:

**** disse...

Ahahahaha. Ô carinha folgado, sô!

**** disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Celso Ramos disse...

Olá Mauro!!!
Cheguei aqui por intermédio da Dade!! Nossa... você tem a possibilidade de travar contato com o lado da humanidade que ninguém quer saber, ainda que ela exista. Ao ler fico pensando quem sai perdendo mais nesta história; O homem musculosamente vazio ou aquele que contratou os serviços do michê,rechedao de susto e desorientação, além de algumas gordurinhas.....

Dalva M. Ferreira disse...

"Alcançar" é bem do gaucho. Primoroso!

Nana disse...

Criaturas do submundo tb pegam táxi...

Anônimo disse...

sera q esse infeliz gordinho não é um funcionario do motel que simplesmente pagou para ocultar um politico ou jogador de futebol conhecido da galera.

Ricardo Mainieri disse...

Neste teu taxi embarcam santos, anjos decaídos e toda a sorte de figuras exóticas.
Creio que também gente normal, ás vezes...(rs)
Boa crônica.

Abraço.

Ricardo Mainieri

Clarice disse...

Mauro, voltamos ao sol. E que ondas, amigo! Espia lá no bloguinho.

Se eu cruzar com um tipo desses, troco de calçada, no mínimo! Esse já tem diploma garantido na fogueira. Vai virar notícia de página policial, sem dúvida.
Abração.

Tiago Medina disse...

Que choque de realidade, hein?! Nua e crua, quase que literalmente

Rick Basso disse...

O gordinho é mais sem vergonha que o michê.

Clarice disse...

Mauro, as fotos que eu indico no post são da "tranquila" praia da Armação e do Pântano do Sul. Compare com as fotos que vocês tiraram naquele verão.
Beijos.

ana paula disse...

Eu não pagaria por sexo se o cara chegasse fedendo a cigarro...

Liziane disse...

Hahahahahaha que barbaridade!! Pior que tem tanto machão enrustido ô...

NaNa Caê disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk



muito bom !

BrayaN disse...

Mt bom seu blog, parabéns tche.abraço e sucesso!!!

Rick neto disse...

A nana é muito linda!!!