domingo, 28 de março de 2010

Ovo azul com abacate

Tudo começa quando meu colega Guto resolve fazer um lanche em um boteco sórdido. Ele come um ovo em conserva, daqueles azulados, que ficam boiando no vinagre. Para acompanhar, toma uma vitamina de abacate bem pegada. Saciada a fome, ele vai trabalhar.
O taxista levava duas passageiras rumo ao hospital Parque Belém quando seu estômago começou a dar sinais de indisposição. Uma pressão, um enrijecimento da barriga, uma fermentação interna. Mesmo a contragosto, Guto foi obrigado a ajeitar-se no banco e liberar os gases malignos. Felizmente, eles saíram em silêncio. As passageiras, porém, acusaram o golpe. Abriram os vidros traseiros. Como ninguém sabia quem tinha soltado o pum, ficou por isso mesmo.
Quando Guto chegou ao fim da corrida, sua situação intestinal já era crítica. Enquanto recebia o pagamento, o taxista se contorcia em cólicas. Uma dor aguda lhe revirava as entranhas e descia até o fim da espinha. Alguma coisa estava forçando a saída e não eram mais apenas gases. Enquanto as mulheres desembarcavam, meu colega traçou um plano desesperado.
Próximo ao hospital, há uma estrada vicinal que liga Belém Velho à Lomba do Pinheiro, onde Guto mora. Com sorte, daria tempo de chegar em casa.
Foi uma correria alucinada pela estrada de chão batido. A cada solavanco do táxi, a cólica aumentava. O taxista ficara pálido e um suor gelado lhe escorria pela face. Em pânico, ele contraía as nádegas contra o estofamento, para conter algum vazamento.
Não deu tempo. Para evitar o pior, Guto parou o táxi e ganhou o mato. Descarregou, em meio as macegas, aquilo que lhe cozinhava as vísceras. O taxista soltou um grito de alívio que chegou a provocar uma revoada na mata. Estava acabado.
Os prejuízos não foram além de algum brejo no cabelo, uns arranhões de arame farpado e uma calça levemente fedida. Nada que um bom banho não resolva.

12 comentários:

Cris disse...

O Guto não preza pela sua vida. Ovo azul com abacate? O que ele pensou que aconteceria?
Isso é que chamo de comida "Jesus te chama". hahahaha
Muito boa! Abraços.

LUIS CARLOS FLORIANI- ctba/PR disse...

Bom dia,
Sou taxista em curitiba-Pr,e como seu colega taxista, eu estava num terminal metropolitano de onibus e me bateu a fome e resolvi comer ,pedi no balcão 02 romolps (sardinha enrolada e segurada pelo palito de dente) e dois todynhos ,e ai foi a mesma estória ....rezei para chegar em casa, contando os minutos, segundos ...Ah tempo que não passava..Incrivel Huck ia morrer de inveja...fiquei verde, azul, vermelho...
Ah saudades da comidinha da minha esposa.! ...

Dogman disse...

Oi, Mauro!
Já fazia um tempo que eu não aparecia por aqui, e logo hoje, bem na hora do almoço (quando acessei), tu vens falar do tal ovo colorido. Fiquei que nem mulher grávida, procurando pelas lanchonetes do bairro até matar o desejo.
O problema é que tenho quase certeza de que o ovo vai durar mais tempo no meu organismo do que esse teu texto na minha memória. E olha que eu lembro sempre das melhores, hein?
Agora deu medo.

Ricardo Mainieri disse...

Nos meus tempos de guri eu assistia muito esta cena.
Na frente de casa tinha um armazém que minha família alugava e eu sempre via uns bebuns entornaram umas cachaças com undenberg misturadas com o indefectível ovo cozido.
Pensei que não existisse mais este purgante natural...
A estória é tragicômica, não queria estar nas calças, digo, na pele deste teu amigo...(rs)
Bela crônica, embora nem um pouco perfumada...

Abs.

Ricardo Mainieri

Clarice disse...

Gente! Ovo e abacate de boteco? Maluco até o calcanhar esse aí.
Até com a desgraça alheia você faz graça.
Quem nunca passou por uma dessas, das que arrepiam o couro cabeludo, que levante a mão.
Abraços. Perfumados, se faz favor.

Giane disse...

Oi, Mauro!

Sei que taxistas passam por poucas e boas, mas pedestres também.
Para minha sorte, deu tempo de chegar em casa...rsrsr!!!

Beijos mil e saudades mil!!!

EDUARDO POISL disse...

O que posso desejar para você?

Que as verdadeiras amizades continuem eternas
e tenham sempre um lugar especial em nossos corações.
Que as lágrimas sejam poucas, e logo superadas.
Que as alegrias estejam sempre presentes
e sejam festejadas por todos.
Que o carinho esteja presente em um simples olá,
ou em qualquer outra frase, ou digitada rapidamente.
Que os corações estejam sempre abertos para novas amizades,
novos amores, novas conquistas.
Que Deus, esteja sempre com sua mão estendida,
apontando o caminho correto.
Que as coisas pequenas como a inveja ou o desamor,
sejam retiradas de nossa vida.
Que aquele que necessite ajuda encontre
sempre em nós uma animadora palavra amiga.
Que a verdade sempre esteja acima de tudo.
Que o perdão e a compreensão superem as amarguras e as desavenças.
Que este nosso pequeno mundo virtual seja cada vez mais humano.
Que tudo o que sonhamos se transforme em realidade.
Que o Amor pelo próximo seja nossa meta absoluta.
Que nossa jornada de hoje esteja repleta de flores.

Feliz Páscoa

Um abraço do amigo Eduardo Poisl

Eu amo a E.Y. disse...

Ainda bem que tinha um matagal perto. Já imaginou se fosse no centro da cidade.... o cara tava ferrado!

Grande abraço!!!

Dalva Maria Ferreira disse...

O ser humano é um nada. Vivemos do cocho à moita, e essa é a grande verdade: tudo acaba em decadência, como bem dizia o meu padrinho, que Deus o tenha.

Silvia disse...

Mauro, fala sério, essa é uma das suas histórias mais nojentas que já vi... rsrsrs Ganhei um desses selinhos de blogs, de uma amiga virtual, e indiquei o seu blog para participar da brincadeira também. Mais informações no Consulta Sentimental. bjs paulistanos.

marliborges disse...

Olá, Mauro, vim agradecer sua visitinha e desejar feliz páscoa!
Beijo grande.

Mimi disse...

Ovo azul???? ai está algo que nem imaginava que existisse. Guto, da próxima come estrelado.