domingo, 24 de janeiro de 2010

Fama quase internacional!

Conheci o Leandro em um hotel onde me hospedei. Ele trabalha lá como manobrista. Ele me contou que era taxista e que abandonou a praça depois de um assalto que sofreu. Depois de ser calçado no revolver, Leandro foi espancado, amarrado e trancado no porta-malas do táxi. Os ladrões ainda assaltaram uma loja, antes de abandonar o carro. Leandro passou horas amarrado, antes de ser encontrado.
Este tipo de história é comum entre os profissionais que abandonaram o serviço na praça. O medo, a pressão da família, a sensação de que da próxima vez pode ser pior. A impressão de que o próximo passageiro pode ser o último. A insegurança é o maior problema de quem trabalha em um táxi. No caso do Leandro, ainda havia mais um agravante: ele trabalhava em uma cidade de fronteira.
Os taxistas da cidade de Santana do Livramento, que faz fronteira com Rivera, no Uruguai, contam histórias de taxistas que seriam assaltados, mortos e os carros levados para o pais vizinho. Tanto os veículos quanto os corpos podem jamais ser encontrados. Verdade ou não, esse seria mais um dos fantasmas que assombram os colegas taxistas de cidades fronteiriças.
Semana passada, fiz um rápido giro pelo Uruguai. Uns dias para desanuviar os olhos e descansar o esqueleto. Além das belezas naturais do pais, por força do hábito acabei reparando nos táxis de lá. Mercedes em Punta del Este, táxis pretos com teto amarelo em Montevidéu além de algumas velharias nos pontos de cidades do interior do pais.
Na volta, quando parei no hotel de Santana do Livramento, o manobrista me recebeu com uma pergunta que tenho ouvido muito aqui em Porto Alegre: "Tu não és aquele taxista que escreve no jornal Diário Gaúcho?". Era o Leandro. Eu estava a 500 km de casa, na fronteira do Uruguai. Alguns metros mais ao sul e minha fama já seria internacional!

18 comentários:

Eduardo P.L disse...

E sua FAMA corre aqui em Santa Catarina, mais ao norte!

Boa semana!

Anunciação disse...

Pelo menos no nosso coração você é famosíssimo.

Karol Nascimento disse...

Mas, sua fama já é internacional. Tem uma cearense que acompanha suas histórias daqui, dos Estados Unidos.

Cris disse...

Você já é internacional. Tem vários amigos da Austrália que te acompanham! Agora qeu virou celebridade, não tem volta!

Gorby disse...

É a fama a mostrar serviço!! Parabéns Mauro por sua "fama"

Abraço

Adro disse...

bah, eu sempre falei: Mauro Castro domina o mundo... hahaha
abraços e boa semana mano..

luka disse...

Não ficaria surpresa se no Uruguai alguém te fizesse a clássica pergunta: "tu não é o cara do Diário Gaucho?" kkkkkk. Falta bem pouco mesmo. Bjs a até a volta.

Anônimo disse...

Mauro você sabe o que é aquela peça tipo corneta ao lado da capelinha ?

Debby disse...

É isso aí, a grande rede proporciona esses encontros e leituras do outro lado do mundo, até!
Muito chiuqe, ir até o Uruguai por "Uns dias para desanuviar os olhos e descansar o esqueleto."
Uhul!
Abraços =)

Lelê Maria disse...

Mazá, guri! Te mete!

Anônimo disse...

Não sou internacional mas, o Rio de Janeiro nem é assim tão perto, Mauro. Bjs Sara

**** disse...

A fama guarda esses encontros doidos nos locais em que menos se espera. Abraços, garoto!

Clarice disse...

Pois então já foste ao Uruguai!
Conta mais do que viu e achou por lá. Que eles te "achem" nem é novidade, porque esse espaço é mais que internacional.
Abração.

Ricardo Mainieri disse...

Obrigado pela visita, Mauro.
Gosto, tb. do Uruguai. Inclusive tenho uma parentada em Rivera.
Ando com saudades de comprar uns vinhos a bom preço, assim como uns espumantes Freixenet.
Aquele pais parece alguma coisa meio clássica, em meio a brasilidade nossa.

Abraço.

Ricardo Mainieri

Alexandre RJ disse...

Boa amigo mas tua fama já é internacional, meu livro já se foi por aí, andou por varios lugares, fama internacional sim rs.

Dalva M. Ferreira disse...

Esse blogueiro tá ficando, viu.

Nana disse...

Já vai pensando em fazer a versão das crônicas em outras línguas tb hehehe

Ricardo sales disse...

Interessate.