domingo, 18 de outubro de 2009

Mais uma de motel

O passageiro chegou ao ponto e embarcou no meu táxi, no banco de trás. Com a discrição de quem está fazendo algo errado, não deu o destino da corrida, apenas foi ordenando que dobrasse à esquerda ou à direita. Quando estávamos passando por um motel, ele pediu que eu entrasse.
Na portaria, a menina passou-lhe a chave do quarto 55 e perguntou se alguém viria encontrá-lo. Ele disse que sim. Disse que informaria sua acompanhante pelo telefone. Ela o procuraria pelo número do quarto. Depois de deixá-lo no quarto 55, voltei para meu ponto, que não fica muito longe do motel.
Quando cheguei novamente na ponta, uma passageira embarcou. Ela apenas ordenou que eu fosse tocando em frente, sem dizer onde ia. De imediato, relacionei com a última corrida. Será que eu estava levando a amante do passageiro anterior? A cada nova coordenada que a mulher me passava, minha suspeita se confirmava. Até que, chegando perto do motel, ela mandou entrar. Bingo!
Acontece que a mulher passou a corrida toda brigando com o celular, que estava sem sinal. Por isso, ela não tinha conseguido falar com seu amante. Na portaria do motel, percebi que já não era a mesma recepcionista da corrida anterior. E agora?
Minha passageira não sabia informar em que quarto seu namorado estava, a nova recepcionista também não, e eu tinha a informação. Então, resolvi intervir.
Assim que informei que o homem que ela procurava estava no quarto 55, a mulher tomou um susto. Olhou-me com cara de braba. Afinal, quem eu estava pensando que era?
Eu aguardei uns segundos, curtindo aquele momento desconcertante, depois expliquei toda a coincidência. A recepcionista ligou para o quarto 55 e confirmou o que eu estava dizendo. Só então minha passageira relaxou.
No fim, ela acabou achando graça e me agradecendo. Não tem por quê.

27 comentários:

Dalva M. Ferreira disse...

Nuca mais faça isso! Vai que não era o par perfeito... Ah! a propósito: ser diferente causa solidão sim.

Gorby disse...

Bonito era a senhora nem sequer conhecer o sujeito do quarto 55, ia ser mau, muito mau!!!

Carmem Tristão disse...

que situaçããããããããooooooo ehuaeheauhaeuaehuaeh

Maykon Souza disse...

Salve Mauro,
já faz um tempo que entro no blog, mas nunca havia comentado. Histórias muito boas. Essa do Motel me fez lembrar o caso de um conhecido que aguardava uma namoradinha secreta já no quarto e recebeu a visita de uma garota de programa que havia sido 'encomendada' por um outro e foi mandada para o quarto errado. Bagunça geral.
Forte abraço.

Tatiana disse...

GENIAAAAL!

bj
tati cavalcanti

**** disse...

Se não fossem um casal, viraram...
Abraços, garoto!

Plinio disse...

Muito boa. Saber por saber é fofoca. Saber para ajudar é diferente.Informação é tudo.

Anônimo disse...

Benza Deus. Eu queria ter uma amante assim. A propósito, o mínimo que ela podería ter feito em agradeçimento é ter lhe dado uma gorjeta bem gorda!!

Anna Soares disse...

Eu ri. MUITO.

Quarto de Despejo disse...

Ahahah!
Incrível!
Cada vez mais acho o mundo uma ervilha...
:)

Quarto de Despejo disse...

Voltei.
Vou te contar uma coisa: eu faço coleção de taxis.
Carrinhos 1/43.
Tenho muitosss, já perdi a conta, e continuo comprando, menos, mas continuo.
Agora, vou colecionar também estórias de taxistas!
:)

Tiago Medina disse...

Claro que tu não faria isso, mas imagina o taxista olhando com cara de maldoso e tascando 'arrá, safadiiinha, é o quarto 55!!!'
Ia ser, no mínimo, cômico.

abraço

Caceres disse...

Engraçado como às vezes a gente quer ajudar e acaba sendo mal interpretado. Mas confesso que eu teria passado a informação com um sorrisinho no rosto, hahahaha!

Ulisses Adirt disse...

Se fosse a esposa, Mauro, vc teria entregue seu passageiro... :-)

Silvia disse...

Oi, Mauro, vim aqui me atualizar, ando um pouco distante dos blogs, mas dou um jeito de voltar por aqui de vez em quando. Pq vc sempre tem uma história bacana pra contar. Há braços!

Dona Baratinha disse...

Olha, se não fossem amantes, garanto que agora o são. AHAHAHA...Mauro, taxista e cupido.

Douglas disse...

Muito boa a história....pra que celular?...chamem o Mauro!

karin disse...

Olá Mauro...faz tempo que não comento nada aqui...mas estou sempre dando uma espiadinha.Agora fiquei pensando...e se não fosse tu que tivesse levado a passageira?A confusão seria maior.

Elaine dos Santos disse...

Fiquei imaginando a situação: a cena deve ter sido simplesmente hilária!

Clarice disse...

Vizinho, quem sabe vocêe começa a fotografar os passageiros e depois usa as fotos pra identificar as vítimas, quero dizer, os pares.
Imagina se o sujeito errado abre a porta, hein?
Abraço.

Marcelo disse...

De vez em sempre passo por aqui pra dar uma conferida.

Parabéns pelo site e pelos belos contos. Sempre com um final inesperado, assim como a vida.

Abraços.

Anunciação disse...

Que temeridade!kkkk

nitasstore disse...

Ainda estou a rir....ah..ah..ah..ah..

cacau1 disse...

Maravilhosoooo!Rss

cacau1 disse...

Maravilhosoooo!Rss

cacau1 disse...

Maravilhosoooo!Rss

Maysa disse...

HAHHAAHHA

Maysa
http://www.maysadecastro.com.br/blog/