segunda-feira, 27 de julho de 2009

A tecnologia da manivela

Nesta semana, recebi um e-mail interessante, de uma leitora que se diz minha fã. Ela tem 71 anos e fala que está descobrindo, agora, as maravilhas da informática. Assim que aprendeu a entrar na internet, mandou-me um e-mail. Quanta honra!
Em sua caprichada missiva eletrônica, dona Clélia se disse encantada com essa nova maneira de se comunicar com o mundo. Confessou que se emociona toda vez que suas mensagens são respondidas. Minha idosa leitora mostra que nunca é tarde para se admirar com o mundo novo da tecnologia.
Eu mesmo uso a informática a meu favor faz muito tempo. Desde que criei meu blog, há seis anos, tenho feito muitos amigos ao redor do mundo. Pessoas que leem o Taxitramas toda a semana, como a Clarice, em Florianópolis, o Gorby, em Portugal, a Cris, na Austrália, sabem mais de mim do que alguns dos meus vizinhos de porta.
Ando até pensando em colocar uma câmera no meu táxi para transmitir imagens do meu dia-a-dia. Fiz alguns testes, recentemente, mas o resultado não foi muito bom. Acho que eu não atinei direito como fazer a coisa. Assim como a dona Clélia, ainda tenho muito que aprender nessa área.
Dia desses, uma passageira embarcou com uma criança de uns cinco anos no colo. Durante a corrida, a garotinha começou a baixar e levantar o vidro do táxi. Ela girava a manivela do vidro traseiro (que não é elétrico) até o vidro baixar totalmente e depois levantava. Baixava e levantava.
De repente, a menina fez a seguinte pergunta à sua mãe:
– Mãe, não dá pra colocar um vidro desse tipo no nosso carro? Olha que legal, a gente gira esse negócio e o vidro levanta e baixa!
Ou seja: a tecnologia que pessoas como eu e a dona Clélia têm dificuldade em assimilar é tão natural para as crianças de hoje em dia que elas ficam maravilhadas quando veem pela primeira vez uma manivela.

25 comentários:

Edmilson disse...

Eu passo por situações engraçadas quando vou "socorrer" algum cliente em apuros com seu PC. Normalmente o "dono da casa" (que não tem a menor idéia do que aconteceu) chama o especialista da família, o Júnior, um pirralho de 5 ou 6 anos que descreve com desenvoltura todos os "sintomas" apresentados pelo "doente" antes de pifar. E pensar que, outro dia mesmo, minha família se reunia na sala para ouvir as novelas transmitidas pelo rádio e no qual as crianças não podiam sequer tocar. Abraços.

Suzana disse...

OLá

É realmente muito interessante presenciar a evolução das formas de comunicação nos últimos anos.

A forma que eu mais utilizo para ler textos é por meio dos feeds dos blogs + Google Reader.

No caso do teu blog, ele apresenta o feed truncado, ou seja, apenas parte do texto, o que é uma pena.

Mas é uma coisa que podes resolver nas configurações do blog, em Site Feed, marcando a opção "completa".

Isso vai ajudar os teus leitores que usam leitores de conteúdo e que crescem cada dia mais.

Quanto a camera no carro: quem gosta de escrever e escreve bem tem de conservar um certo mistério :)

abraço!

Suzana

Luckas Cabral disse...

Buenas
Tchê leio muito teu blog. Toda segunda estou aqui e fico encantado com as histórias e teu modo pensar e agir. Tenho quase 19 anos e sou de POA. Por eu ser gremista duente, gostaria de saber tua opinião sobre o caso da esposa do Maxi Lopes e a suposta tentativa de sequestro por um colega teu de profissão. Há pessoas que agem desse jeito, tu por conhecer os trajetos Iguatemi-Olimpico, não tem como ela ter se assutado por não conhecer, etc etc etc.

grande abraço e visite meu blog por favor. matedocabral.blogspot

Tiago Medina disse...

Bah,
depois dessa até eu - no alto dos meus 23 anos - me senti um velho...
Imagina a cara dos meus filhos quando disser que passei 16 anos da minha vida sem celular e internet. Não vão acreditar!

Plinio disse...

Isso me lembra uma frase do meu ex-colega Tibério Vargas Ramos, natural do Alegrete, na época em que surgiram os computadores:
- Depois que inventaram a máquina de debulhar milho, nada mais de impressiona.
Imagine uma máquina onde uma espiga entra por um compartimento e saem, por um lado os grãos e pelo outro um sabugo completamente pelado.
Bah.

Anunciação disse...

Acho que deveriam fazer um museu com essas coisas,tipo essa maçaneta,máquina de escrever,essas coisas.Daqui a tempos se a gente contar ninguém vai acreditar:vovô ou vovó tá caduco(a),rs

Dona Baratinha disse...

Hahahahaha, imagina a cara delas quando se deparam com um video cassete? Eu vi a surpresa da minha quando descobriu que video cassete existia e com o tamanho das fitas, a pergutna foi: E como vocês guardavam isso? (as fitas)

Beijos

Gorby disse...

Quanta honra ser falado no seu blogue! Obrigado pela lembrança e pela recomendação do meu blogue que espero continue a visitar tal como certamente farei com o seu!

Abraço a partir de Portugal!

Anderson disse...

É verdade. Parece que cada geração nova que chega, mais facilidade se tem em assimilar as coisas.
Excelente semana !

Cris disse...

Vi minha mãe nas palavras da Dona Clélia.
"Obrigou-se" a comprar computador e instalar internet para falar com a filha do outro lado do mundo.
Na realidade, descobriu um mundo totalmente diferente, com Orkut, MSN e proximidade de amigos antes perdidos por aí.
Se saiu muito bem com o manuseio da tecnologia e me dá um orgulho!
Ainda bem que existe esta tecnologia. Fazemos amigos, enganamos a saudade, fazendo parecer que as pessoas estão ao nosso lado.
Ah, e obrigada pela lembrança no blog. Fiquei muito honrada.
Abraços.

karin disse...

Oá Mauro...primeiro quero deixar aqui registrado o qto tou me divertindo em ler teu livro.As vezes tenho que me policiar pra não soltar uma gargalhada aqui no meu serviço(como trabalho com psiquiatra vão pensar que fiquei doida rsrsrs)Qto a teconologia eu sempre achava que não ia conseguir manusear,hoje não sei ficar sem internet.Beijo. PS:Acho que vou comprar mais um pra emprestar aos amigos,pq o meu eu não empresto rsrs.

Clarice disse...

Mauro, descobrir você foi uma alegria, primeiro porque através de teus textos eu aprendo, me redescubro, filosofo, rio, choro, fico indignada, surpresa, encantada.
Depois, imagine meu lucro! Através de você ganhei uma família linda de amigos!
Obrigada pela amizade e pela ponte vermelha, que me deixa honrada.
Beijos e boa recuperação para Gilda. (No próximo verão tem que desfilar o novo visual por estas bandas, galega!)

Debby disse...

Oi!
Farei o depósito amanhã e terei a honra de receber um livro seu!
=]

Adoro a forma poética como trata os assuntos!
O olhar da criança deve ser resgatado a cada dia por nós!

Hugs

Dalva M. Ferreira disse...

Perfeito!

Alexandre RJ disse...

Como sempre, muito boa! Mas não seja modesto, seus fiéis leitores estão espalhados por muito mais lugares!

Hess disse...

OI Mauro
eu recomendo a vc um conto q eu li há tempos, acho q era do Ray Bradbury, em q um cientista no futuro descobre um "papiro" em que estão rabiscados umas contas e então ele testa os números somando com uma calculadora e, surpresa!, dão certo igual no papel!!
aí o cara leva correndo os resultados e mostra para os colegas incrédulos!!
ele desconfia q contas de dividir e de multiplicar também podem ser feitas no lápis!!!

não estamos longe disso...

procure o conto, é muito engraçado!!
abraços!!

Nana disse...

Minha vó navega na internet e inclusive tem orkut. Acho legal isso, não parar no tempo.

Eu sou da geração que cresceu na frente do PC, desde bb de colo. 20 poucos anos depois é estranho ainda se deparar com pessoas que não sabem nem ligar um pc... :P

Dirceu disse...

Eu tive meu primeiro contato de fato com um computador qdo já devia ter meus 20 anos. Mas não foi difícil lidar com o bixo.
Segue um "pensamento" a respeito da máquina:

"O computador foi inventado para resolver problemas que não existiam antes dele."

Engraçada, mas...

Mudando de assunto:
Mauro, fico muito honrando em saber que acompanhas o meu humilde blog. Obrigado!

João Sá disse...

Olá, Mauro!
Acabei de estrear meu blogue e resolvi vir até aqui para contar primeiro pra você a novidade. Sou fã do Taxitramas há tempos, e agora tô com um cantinho também. Me visite quando puder. Um abraço. João.

Blog do Laio disse...

Igual a menina da manivela, meu neto de 13 anos ficou surpreso ao encontrar no meu escritório uma máquina de datilografia marca Olivetti, dos anos 70 com o rolo fita bicolor. Minha neta de 9 anos ao ver-se fotografada por mim na minha vrlha câmera zenit com flash de lâmpada, queria ver a sua foto no visor da câmera.Pensou que era câmera digital. Não acreditou quando expliquei que o filme tinha que tirado da câmera e revelado numa loja epecializada. Definitivamente sou um homem das cavernas para eles.

Magui disse...

Minha mãe se chama Clélia.Ela não gosta do nome mas lendo aqui achei bonito.Seria bom que as crianças de hoje conhecessem mais as manivelas de empinbar papagaio...

João Carvalho disse...

Muito bom o teu blog!
Costumo ler teus textos no jornal, semanalmente.
Histórias excelentes,senso de humor...
Falar das coisas simples da vida, do cotidiano (que quase se perdem com a "pressa")é necessário.Coisas que acontecem bem debaixo de nossos olhos e nem reparamos.
Ainda bem que sempre há alguém para nos lembrar.
Parabéns!
Um grande abraço!
j.

P.S.
também arrisco minhas humildes linhas
meu blog: flowers of romance
fromance.blogspot.com

igorlluz disse...

Isto é pra te ver Maurão ,que nem sempre o antigo é descartável como nós por exemplo,ainda somos úteis para todos inclusive para as mulheres hahaha Abração amigão

Anônimo disse...

Muito legal seu blog, é bacana ver alguém desta idade interessada pela internet.Porque eu tenho 27 anos, mas odeio ficar mexendo no computador, não tenho muita paciência, acho q é pq tenho q ficar na frente dele o tempo todo. Até mais!
Cristina. SP

Anônimo disse...

Muito legal seu blog, é bacana ver alguém desta idade interessada pela internet.Porque eu tenho 27 anos, mas odeio ficar mexendo no computador, não tenho muita paciência, acho q é pq tenho q ficar na frente dele o tempo todo. Até mais!
Cristina. SP