segunda-feira, 2 de março de 2009

Ensaio sobre a traição

A passageira embarcou e perguntou se o identificador do telefone celular poderia se enganar. Antes mesmo que eu respondesse, ela pediu que tocasse para o Motel Ninho de Amor, que ficava do outro lado da cidade.
No caminho, ela explicou que o marido havia viajado e teria marcado o retorno para aquela manhã. Acontece que ele tinha acabado de ligar para o celular dela, avisando que iria se atrasar, que chegaria em casa só por volta do meio-dia. Depois que desligou o aparelho, a mulher lembrou que não tinha nada para comer em casa. Assim, verificou o número de onde o marido havia ligado e telefonou pra ele. Uma moça atendeu:
– Motel Ninho de Amor, bom dia!
Deixei a esposa indignada na portaria do tal motel, armando o maior barraco!

Em episódio semelhante, meu colega Kiko foi pegar uma corrida em um motel. Logo que embarcou, a passageira pediu que Kiko ligasse para o celular dela, pois não estava localizando o aparelho. Como o telefone não tocou na sua bolsa, ela concluiu que havia perdido o celular.
Quando já estava chegando ao destino da corrida, um carro importado cortou a frente do táxi. De dentro do veículo, saiu o marido da mulher, indignado, revólver em punho. Ele estava seguindo a esposa desde a saída do motel. Depois de concluir que Kiko era só um taxista fazendo seu trabalho, o homem pagou a corrida e puxou a mulher, pelos cabelos, para dentro do seu carro importado, dizendo que a mataria!
No outro dia, a mulher ligou para o Kiko (o número dele havia ficado na memória) para se desculpar. Explicou que havia perdido o telefone no táxi que a levou para o motel. Quando o marido ligou para ela, o taxista informou que a passageira havia perdido aquele telefone no seu táxi. O marido, então, perguntou onde ele havia deixado a mulher. Ingênuo, o outro taxista deu o endereço do motel...
Pelo menos, ela estava viva para pedir desculpa.

10 comentários:

Dalva M. Ferreira disse...

Que angu!

Mari Lopes disse...

Vishh Maria

César disse...

Quem tá fazendo coisa errada é sempre pego! rs

Blog bem legal, cara!

Até

*LIS disse...

Realmente, tem cada historia de Voce Decide que acontece na vida real, que e ate engracado acreditar!

Mas como se dizem por ai...
Briga de marido e mulher, nao se mete a colher.

Márcio Diemer disse...

Grande Mauro!! Tudo isso só no taxi...imagina o que não rola por ai! Abraços do Diemer!

Anunciação disse...

Credo,que confusão!

Ulisses Adirt disse...

HAHAHA...

Isso me lembrou mto a piada do português que atende o celular no motel dizendo “Meu Deus, Maria! Como é que você me encontrou no motel?”.

Clarice disse...

Coisas de um cadeado eletrônico. Quem não quer ser encontrado deve "esquecer" o celular em casa.De preferência no bolso do paletó ou na bolsa que usou ontem.
Boas voltas e abraços.

Silvia disse...

Hummm, quanta falta de cuidado, imprudência e falta de amor verdadeiro nesse mundo, não?? ai, ai...

Anônimo disse...

Kkkk, senhor Mauro, me matas de rir com as histórias das suas colunas!!
Realmente isso serve de lição pros engraçadinhos e engraçadinhas que acham que as besteiras que fazem não serão descobertas!!
Até nessas situações ser taxista é perigoso né?!
Admiro muito os seus textos...

by: Tatthy ^^