domingo, 10 de julho de 2011

Entrando numa fria

Fazia um frio danado quando uma adolescente fez sinal para meu táxi. Ela vinha pela calçada, meio correndo, meio se vestindo, segurando os calçados na mão. Logo que abri a porta do táxi ela se jogou para dentro, tiritando de frio. Pediu que eu tocasse em frente, rápido. Era evidente que estava fugindo de alguém. Fiquei com a pulga atrás da orelha, mas arranquei.
Liguei o ar quente no máximo e desliguei o rádio para que ela explicasse o que estava rolando. Ela contou que tinha ido com uma amiga para uma festa particular no apartamento de um jogador de futebol. O cara tinha tentado forçá-la a fazer sexo. Depois de acertar um chute no meio das pernas do rapaz, havia fugido, deixando para trás a amiga e parte das suas roupas. Com os olhos cheios de angústia, ela pediu:
- O senhor tem que me ajudar, tio!
Olhando para aquela menina, lembrei da enrascada em que me meti quando ainda era criança, lá em Viamão. Aproveitando um resto de tinta usada para pintar nossa casa, resolvi pintar os cílios da égua do meu avô. Achei que o bicho ficou lindo com o verde que usei. Na manhã seguinte, porém, com os cílios colados pela tinta, o animal não conseguia abrir os olhos! A surra que levei foi memorável. Minha carreira de maquiador acabou por ali.
Identificado como minha passageira, emprestei-lhe meu telefone para que resolvesse a situação. Ela ligou para a amiga, que havia ficado no tal apartamento com um outro jogador. Depois de algum tempo, a outra chegou ao posto de combustível onde estávamos esperando, trazendo os pertences da companheira de desventura.
O resto da corrida foi tranquila, com as duas refletindo sobre suas escolhas. Além da roupa quente, a outra menina trouxe também solidariedade à parceira. Reconheceu que a tal festinha era mesmo uma fria, e o chute no "playground" do jogador fora bem dado. Sugeriu, inclusive, que a amiga tentasse carreira no futebol feminino. Lágrimas deram lugar às gargalhadas.
Não vou revelar o nome do jogador, claro, mas posso adiantar que ele vem tratando a bola tão mal quanto as mulheres.

12 comentários:

Fátima Rama disse...

hahahaha muito bom mauro, tu não tem muita cara de maquiador mesmo! ótima história :) o jogador deve ser do inter haha bjs

Ligéia disse...

Credo, Mauro, tadinha da égua. Morro de pena de bichos.

Essas maria chuteiras...

Ah, vc bem q podia dar uma dica do jogador, vai...

Eduardo P.L disse...

Esses jogadores de futebol não pensam em outra coisa???? Deve ser por isso que as bolas e camisas da seleção brasileira andam tão mal....

**** disse...

Bom, se for por sua pista dá pra imaginar mil e um caras. rsrsrsr

Clarice disse...

Se a história tivesse acontecido na Argentina até daria pra entender aquelas partidas vergonhosas.
A guria vai a uma festinha particular no apê do jogador. Tâ esperando o quê? Reza? É muita ingenuidade. E o cara bem que precisa de uma Maria da Penha e um relho.
Abraços.

carolineprado disse...

Calma, Mauro, o jogador deve ser só mais um "menino querendo brincar com a sua bola". Brincadeiras a parte, ainda bem que deu tudo certo para as meninas. Mas pintar os cílios da égua de verde...francamente, mereceu a surra!

Adriano de F. Trindade disse...

Como diz o ditado, "quem sai na chuva é pra se molhar". Me aparenta ter sido total ingenuidade da parte delas.

Da maneira que vejo, embora o jogador não tenha sido um exemplo de boa conduta, se as meninas não sabiam o que estavam fazendo, espero que pelo menos tenham aprendido com esta experiência.

Ajudaste á elas. Isto é bom. Não sei se todos seus colegas taxistas seriam unânimes quanto á adotar esta atitude.

Ótimo texto!

Rick Basso disse...

sempre achei que festinha particular de jogador de futebol quisesse dizer sexo, mas enfim...

Tipoloko disse...

kkk esse jogador soh pode ser o Douglas do Gremio, rapa como ele ta tratando mal a coitadinha kkk
abraços mauro

Dalva Maria Ferreira disse...

Foi gol!

AMELIA disse...

QUE BOM...NOTA DEZ....QUE AJUDA...

Rafael Sarmento disse...

Qual foi o jogador?