domingo, 20 de junho de 2010

Meu colega Aspirina

Depois da história de Walmor Telinho, mais um relato de como surgiu o apelido de um colega de praça.
Antes de mais nada, é preciso dizer que todo taxista que se preza tem um apelido. Uma das minhas maiores frustrações profissionais é nunca ter conseguido um apelido decente, que pegasse de verdade. Talvez porque um apelido, para pegar, precisa que o apelidado fique brabo, rejeite a brincadeira. Como sempre me diverti com os apelidos que tentaram me impingir, acabei sem nenhum.
Tenho um colega, o Vitamina, por exemplo, que ninguém sabe ao certo seu verdadeiro nome. Vitamina me contou que, mesmo em casa, é chamado pelo apelido, a ponto de seu filho menor sequer saber como o pai realmente se chama. O pior é que meu colega nem sabe dizer como ganhou tal apelido, de tão antigo que ele é.
Já o apelido do Xico Aspirina se deve a um revés amoroso pelo qual o taxista passou. Aconteceu que a mulher dele, disposta a se vingar do marido, foi para um motel e, depois de uma tarde inteira se refestelando com o amante, pediu que o estabelecimento ligasse para uma determinada rádio-táxi e pedisse que um determinado prefixo fosse até o motel buscá-la. O táxi do próprio marido, claro. Xico quase teve um troço quando viu sua mulher sair do quarto, aos beijos, com o amante.
Depois da traição e consequente separação do casal, Xico entrou em parafuso. Vivia chorando dentro do táxi, ferido pela saudade da ex-mulher. Em desespero, o taxista resolveu acabar com a própria vida. Depois de ingerir uma batelada de comprimidos, ligou para sua amada, despedindo-se, e deitou-se para esperar a morte.
O problema é que os comprimidos que nosso desajeitado suicida tomou não passavam de inofensivos analgésicos! Tudo o que Xico conseguiu foi se livrar para sempre de suas dores de cabeça e ganhar para sempre um apelido que ele detesta: Aspirina.

11 comentários:

Eliana disse...

Layout renovado!!!

Aspirina... suicida de primeira viagem... hahahaha

Muito bom!

Beijos!

Adro disse...

Bah, eu conheci um camarada que ganhou o apelido de FUBARIN tbm por ter tentado se matar e ñ ter obtido sucesso na empreitada. Mas o negão ficava maluco e partia pra porrada se chamassem de FUBARIM. A gente chamava só na surdina mesmo. hehe
Abraços Castro e boa semana

Anunciação disse...

Ah,coitado...rs

Nana disse...

hahahaha, suicídio #fail!

Tenho amiga que uma vez tentou se matar tomando um vidro de perfume, acho que o máximo que ela conseguiu foi ficar meio bêbada. :P

Dalva Maria Ferreira disse...

Suicida de primeira viagem foi boa!

São disse...

E se queria mesmo suicidar?

Boa semana.

Caipirinha da Silva disse...

adoro os cornos mansos, eles são fofoletes!!!!!!!!

Telma disse...

Hahaha, esse apelido é muito engraçado. Mas coitado! Ainda bem que ele não conseguiu se matar, porque ele teria cometido um grande erro. Um óptimo dia para ti. Beijinhos

Clarice disse...

Arranjei um tempinho para despachar um abraço. O próximo intervalo será usado para ler.
Até mais.

Débora Oliveira disse...

Tadinho dele, nossa! =/

Sylvio de Alencar. disse...

Castigo cruel...