domingo, 14 de fevereiro de 2010

Cuidado com bolo!

O taxista suíça foi contratado para o serviço por tratar-se de um motorista de confiança. Com muitos anos de praça, Suíça jamais decepcionara um passageiro. Mantinha o táxi sempre impecável e dirigia na ponta dos dedos, com cuidado cirúrgico. Era, portanto, o homem certo para aquela corrida.
Suíça precisava buscar um bolo de aniversário em uma confeitaria. Um bolo especial, feito com engenho e arte pela melhor confeiteira da cidade. A festa já estava para começar e o bolo ficara pronto há poucos instantes. Havia alguma pressa, mas o mais importante era o cuidado com a obra-prima da famosa doceira.
Depois de pensar sobre a melhor forma de transportar o tal bolo, Suíça optou por colocá-lo no chão, depois de recuar ao máximo o banco dianteiro. No assoalho do carro, para não correr o risco de, no caso de uma freada mais brusca, acontecer algum dano à encomenda . Depois de acomodar com cuidado o precioso confeito sobre o tapete do táxi, Suíça partiu.
O bolo era mesmo uma obra de arte. O taxista maravilhou-se com a capacidade artística da confeiteira. Feito com glacês de diversas tonalidades, o bolo reproduzia uma cena bíblica. Uma arca enorme, carregada de animais, com seu comandante, Noé, agarrado à proa, soltando um pequeno pombo. Devia ter dado um trabalho enorme construir aquele negócio...
Tudo aconteceu muito rápido. Suíça estava parado em um semáforo, já a poucos metros do destino final. Praticamente à porta do salão onde acontecia o concorrido aniversário de um importante padre da capital gaúcha. O taxista estava distraído, olhando pela janela do táxi, quando apareceu um passageiro do nada. O homem veio correndo, estava atrasado, precisava urgentemente de um táxi.
Suíça nem sequer gritou. Não houve tempo para nada. O homem embarcou correndo e enfiou o pé no meio da arca!
Era uma vez um bolo.

13 comentários:

Silvia disse...

O dó!

Caminhante disse...

Ai, essa doeu!

Anunciação disse...

Nossa,coitado!

Plinio Nunes disse...

Não precisa dizer que deu bolo.
Abrs.

São disse...

Xiiiiii....

Divertido Carnaval por aí, sem esta chuva daqui.

Adro!!! disse...

Xiiii jah eras bolo... hahaha... segunda de carnaval e Castro mandando mto bem...
Abraços

Eliana disse...

Putzgrila!!! Era uma vez um bolo...

Pobre Arca... pobre Noé...

O dilúvio veio antes da hora!

Beijos!

Carmem Tristão disse...

ai!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
bom, pelo menos alguém viu a arte da doceira né rsrsrsrs

Mari Lopes disse...

Poutz grila!

Carol RJ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carol RJ disse...

É incrível como se pode transmitir sentimentos quando se escreve bem! A primeira coisa que pensei foi: " Ai que dor no coração" uma expressão comum aqui no rio que quer dizer: 'que dó', 'que pena' ou 'que tristeza' ...e veja minha surpresa qd me deparo com tais expressões nos comentários acima. Isso é que é 'dar conta do recado'.Excelente!

Mas olha, " que dor no coração" rss

(required field must not be blank) disse...

Quando começou dizendo que a corrida era especial, antes mesmo de mencionar o bolo eu já sabia que só podia dar em desastre. Quando falou em bolo, então, era certeza de coração partido. Não precisava nem ler até o final.

Clarice disse...

Ai, meus pecados! Entre uma reunião e outra eu precisava de 10 minutos para cumprir horário e alguém chamou um motorista da empresa. Manobras de fórmula 1, porta aberta a jato, a gaiata aqui entra e senta afobada, já com o espírito na próxima reunião. Aí olho para a cara do motorista e descubro que eu deveria ter sentado atrás, tipo madame. No banco da frente estavam repousando os óculos de sol dele. Ou o que restou depois da pressa.
Abraços.